Já pode haver um objeto humano para lá do sistema solar

Publicado Por: Sofia Jesus - 16• Jul•2012

A sonda Voyager 1 prepara-se para se tornar no primeiro objeto humano a passar além do sistema solar. Uma cientista francesa acredita mesmo que já pode ter acontecido, falta a confirmação da NASA.

 

Lançada em 1977 para explorar precisamente os limites do sistema solar, a Voyager tem uma irmã gémea, a Voyager 2. Andam há quase 35 anos a viajar pelo espaço, em direções diferentes, e a transmitir informação preciosa. Estima-se que a Voyager 1, que pesa menos de 800 quilos, esteja a cerca de 18 mil milhões de quilómetros do sol.

A NASA anunciou em junho que a última informação recebida indicava que o momento em que a Voyager 1 entraria no espaço interestelar estava próximo. «As leis da física dizem que um dia a Voyager tornar-se-á no primeiro objeto feito pelo homem a entrar no espaço interestelar, mas não sabemos exatamente quando será. Os últimos dados indicam que estamos claramente numa região onde as coisas estão a mudar mais depressa. É muito entusiasmante. Estamos a aproximar-nos da fronteira do sistema solar», disse Ed Stone, cientista do projeto Voyager no California Institute of Technology.

Rosine Lallement, astrónoma da Agência Nacional de Pesquisa Científica francesa, que colabora com a NASA a partir do Observatório de Paris, estima que esse momento chegou. Baseia-se numa série de dados recebidos agora – a informação das Voyagers chega com um considerável lapso temporal -, que indicam que a sonda pode ter já passado a heliosfera, a região do espaço sob influência do sol.

«Houve um aumento de atividade e depois uma estabilização no início de julho. Isto só pode corresponder ao passar da fronteira entre o nosso sistema solar e o meio estelar», diz Rosine Lallement ao jornal «Le Figaro»: «A teoria previa nesta zona uma zona fina de turbulência, chamada heliopausa, que é compatível com as medições.»

É mesmo uma questão de tempo até se confirmar a passagem de fronteira. Enquanto isso, as Voyager são há muito os objetos humanos que chegaram mais longe no universo. Elas e os seus «Discos de Ouro».

Cada uma das sondas leva consigo aquilo a que se chamou um «Golden Record», um disco de cobre dourado que contém informação sobre a Terra e sobre a humanidade, para o caso de encontrarem formas inteligentes de vida em algum ponto do universo.

O conteúdo do disco foi selecionado por uma equipa liderada por Carl Sagan. Inclui 115 imagens do nosso planeta e vários sons naturais, do ruído do vento ao do trovão, passando pelo canto de aves ou pelo som que faz uma baleia.

Também tem mensagens de saudação em 55 linguagens diferentes (português incluído), além de mensagens escritas de Jimmy Carter, na altura presidente dos Estados Unidos, e Kurt Waldheim, que era o secretário-geral das Nações Unidas em 1977. Tem instruções sobre como o disco deve ser lido em linguagem simbólica.

Fonte TVI 24      /      Enviada por Patrícia Matos

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *